#10 Meio assim

Vem, aplaca minha fome. Mais do que tudo nessa hora, eu preciso da saciedade que encontro na tua boca. Consome a minha com teus beijos e me trava o corpo na cama. Minha carência acompanha a Lua e formiga debaixo da pele, refluindo na mesma maré que tua cadência comanda. Embriaga meu espírito com o teu. Afoga a sede de tempo; deixa a areia correr. Meu vazio é fundo e negro, de paredes gotejantes e eco infinito. Um eu inerte de melancolia. Eu hoje acordei meio assim.

Inquietude e curiosidade me definem. Escritora, estudiosa de História Medieval, artesã, entre outras habilidades nada-a-ver-uma-com-a-outra. Escrevo desde os doze anos de idade. Tenho dois romances publicados de forma independente pelo Clube de Autores. Participei de 3 antologias de contos e escrevi durante 5 anos um blog de poesias sob o pseudônimo de Invidia. Atualmente trabalho na revisão do meu terceiro romance, publico um conto no Wattpad e administro o caos do dia a dia.

Leave a Reply

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
Pular para a barra de ferramentas