Um velho cão

UM VELHO CÃO

 

Uma velha senhora

Com um passado de glória

Foi fazer um safari na África

Levou o seu velho cão

Um filho ou quase irmão

Uma amizade de mágica

 

Certo dia o velho cão

Foi dar uma volta na região

Ficou caçando borboletas

Percebeu que estava perdido

Sem saber por onde tinha ido

Estava enrascado numa mutreta

 

A esmo ficou vagando

O caminho de volta procurando

De repente ele fica sem ação

Um jovem leopardo

Caminha a passos largos

Rumo a sua direção

 

Calmamente ele senta

O velho cão pensa

Estou mesmo enrascado

Tenho que ter serenidade

Agir com velocidade

Pra não ser alimento do leopardo

 

O cachorro olha em volta

Ver abrir-se uma porta

Ossos espalhados no chão

Mantendo a serenidade

Rói os ossos com vontade

Sem dar muita atenção

 

Deu as costas pro predador

Ao dar o bote ele exclamou

“este leopardo estava delicioso”

Será que há outro por aí?

Quero logo mais engolir

Senão eu fico nervoso!

 

Ao ouvir, o leopardo parou.

Com um arrepio de terror

Suspende logo o seu ataque

Caramba! Ele pensou

Por pouco ele não me pegou

O velho cão iria me dá um baque

 

Um macaco muito esperto

Numa árvore ali por perto

Assistiu toda a cena

Em troca da sua proteção

Chama do leopardo a atenção

Conta o fato morrendo de pena

 

Informa que o velho cão

Blefava na ocasião

Que nada ele iria fazer

O leopardo ouve a proposta

Poe o macaco nas costas

E volta de novo a arremeter

 

Fala pro macaco feroz

Você verá meu lado atroz

Vou devorar aquele cão abusado

O velho cão viu a situação

Sua vida estava em questão

Ficou muito apavorado

 

Mas uma vez com sabedoria

Agiu com maestria

Sensato manteve a calma

Viu um leopardo furioso

Muito brabo e perigoso

Querendo devorar sua alma

 

Mais uma vez dá as costas

Com o perigo à sua volta

Finge nada está vendo

O leopardo se aproxima de fato

Na hora o cão grita bem alto

Estou de fome morrendo

 

Cadê o macaco mentiroso

Covarde e perigoso

Que ficou de me trazer

Um leopardo novinho

Pra saborear com um bom vinho

Estou louco para comer

 

O leopardo ao ouvir a revolta

Muito rápido para e volta

O macaco viu o seu castigo

Fugiu veloz que nem o vento

O leopardo correu muito atento

Se afastar daquele perigo

 

A moral dessa história

Que fique gravada na memória

Não mexa com um velho cão

A experiência da idade

Munido de habilidade

É necessária em toda ocasião

 

A experiência vem com a idade

A sensatez e habilidade

A sabedoria vem com a experiência

À juventude e a intriga

Servem apenas para a briga

Não preservam boa existência.

 

Autor: Joabnascimento

Data: 24/07/17

Recanto das Letras: Joabnascimento

Blog: joaobnascimento55.blogspot.com

Twitter:@ljoaobatista

Cearense, escritor, poeta e cordelista, granjense de nascimento e Camocinense de coração residente em Camocim, nascido em 11/06/1960 filho de João Tibúrcio do Nascimento e Aldenora Felix do Nascimento, Militar da Marinha, onde permaneceu por trinta anos servindo à Pátria. Morou por mais de trinta anos no Rio de Janeiro. Atualmente na reserva remunerada, mecânico de aviação, pai de Leonardo e Luís Eduardo Bento do Nascimento, membro efetivo titular da cadeira de nº 30 na Academia Camocinense de Ciências Artes e Letras-ACCAL. Casado com Val Fontenele. Atualmente dedica-se a literatura escrevendo textos em estilos variados, sendo o cordel, o seu verdadeiro carro chefe. Detentor de mais de trezentos textos publicados e outros tantos inéditos. Conta com vários exemplares prontos para serem publicados. Escreve para o seu blog: joaobnascimento55.blogspot.com e para o site recanto das letras e colabora com textos para a revista Criticartes. Sou um ser pensante, itinerante, mas que no fundo sabe bem o que quer e o que não quer. Um ser errante, mas que procuro está sempre disposto a não cometer o mesmo erro, mesmo sabendo que as tentações são tantas. Um ser apaixonante e apaixonado, sempre procurando entregar tudo que ele tem de bom para a pessoa amada sem se importar se está sendo correspondido, mas torcendo para que isso aconteça de alguma forma ou momento. Enfim sou uma pessoa normal como todos que conheço, apenas mais um sonhador, que gosta de por no papel algo que vem de dentro do meu pensamento, enfim esse sou eu, , , amante do cordel e das rimas. Desde criança me deleitava com as leituras dos folhetos de cordel e sempre encontrava muita facilidade para rimar frases, mantinha os meus escritos guardados, pois os achava insignificantes. Hoje já sem vergonha, tenho a pretensão de mostrar os meus pensamentos. Não me considero um escritor, mas sim um amante do cordel e da rima. Esse livro nasceu por acaso, ele não era o projeto principal, mas Deus escreve certo por linhas tortas. Enfim, dedico esse exemplar a todos os amantes da literatura em especial os apreciadores do cordel. Espero que de alguma forma ele sirva para contribuir com o ensino e a literatura de uma forma em geral.

Leave a Reply

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
Pular para a barra de ferramentas